domingo, 25 de agosto de 2013

LIDERANÇA E SUAS ESCOLHAS


Ser apoiado por um grupo de pessoas é mais importante que qualquer instituição. Quando as pessoas em nosso caminho são amorosas, nossa jornada será benéfica, mas o amor é o mais importante! E dentro desse nome “AMOR” que define o sentido de amar, existe três importantes sabedorias que poderá marcar a vida de qualquer pessoa: Fé, Esperança e Amor. Mas a maior dela é o “AMOR”.
Se cultivarmos amor estaremos no caminho certo. A decisão de servir, sacrificar e obedecer produz maravilhas na transformação humana. Quanto mais eu decido quebrar meu ego e meu orgulho, mais alegria tem na vida. Há uma necessidade de desapegar-me de coisas materiais para que eu possa doar-me mais aos outros. É importante olharmos o mundo dentro da visão de Deus, pois geralmente vemos como somos.
Precisamos evitar o poder da percepção seletiva, vemos e encontramos as coisas que procuramos, pois geralmente ficamos olhando para o trabalho, para as pessoas, para os sentimentos e tentamos aprender novas praticas e comportamentos, mas sempre ecoa uma pergunta dentro de nós. Vale a pena todo esse esforço? O líder que opta pela autoridade e influência precisa fazer muitas escolhas e sacrifícios. Mas o que precisa ficar claro, que não são só os liderados que precisam passar por isso, o líder tem que passar em dobro. Esse líder aprenderá a exercer a influência aprendendo a construir autoridade servindo aqueles pelos quais o líder é responsável, essas atitudes dará ao líder uma visão real da direção que ele – ou ela – deverá tomar sempre que necessita de uma tomada de decisão. Quando essas diretrizes passam a fazer parte da sua vida, então a vida começa a ter propósito.
Portanto quando examinamos as decisões a ser tomados com o famoso “olhos de águia” percebemos logo que uma liderança com o mínimo de erro exige muito esforço e trabalho do líder. Por essa razão é que tratar as pessoas e nossos liderados com bondade, ouvir atentamente, de ter e expressar consideração, de elogiar, de reconhecer, de estabelecer o padrão, de deixar claras as expectativas, de dar as pessoas condições para manterem o padrão estabelecido – isto é de fato uma missão diária.
Podemos então entender essa frase com muito mais clareza. “Disciplinar-se para liderar com autoridade parece uma declaração de missão pessoal”. Nunca paramos para pensar na importante declaração de missão do que queremos e pretendemos como indivíduos. Entendemos então que sem um objetivo definido, nos dispersaremos em ações sem sentido.
O mais importante e que não podemos esquecer é que um líder deverá passar aos seus liderados uma declaração de missão definida, pois os liderados farão o que for necessário devido à confiança e a segurança que eles depositam no líder. Quando temos objetivos transmitidos para as pessoas, podemos ficar cientes que se essas pessoas tivessem a oportunidade de viver suas vidas novamente escolheriam três princípios que a maioria das pessoas com idades acima de oitenta anos disseram. Arriscariam mais, Refletiriam mais e realizariam mais coisas que permanecessem depois que elas se fossem.
Concluímos então que liderar com autoridade, significa arriscar-se, pois um líder que se apoia no poder é provável que em pouco tempo esteja demitido, mas não podemos esquecer que um líder corre risco de qualquer maneira, pois o líder estará sempre sendo observado pelos seus subordinados e também pelos seus superiores, o que é necessário para um líder é ele atuar sempre e não esperar para o amanhã, pois quando aplicamos nossa liderança todos os dias, não significa que vamos deixar de exercer a lei do amor, do entendimento e da dedicação, precisamos perguntar para nós mesmos e responder com sinceridade: Que diferença a minha contribuição para vida é fundamental para contribuir com meu próximo? Nossas vidas e nossa liderança deverá fazer uma diferença para este mundo! Pois fazer diferença na vida dos outros é muito importante. “Quando nascemos nós choramos e o mundo se regozija”. Mas acrescento ainda uma frase pessoal - “Faça o melhor agora em vida, pois quando você morrer se lembrarão da sua existência com alegria”.
Pois no decorrer da vida é muito importante seguirmos algumas regras de ouro. “Nossas vidas estão sempre em sintonia com Deus”. Por isso é que Huston Smith em seu livro – As religiões do homem – diz que cada uma delas possui uma regra de ouro. Essas regras se aplicam também ao nosso dia a dia, com ênfase em nosso trabalho, pois Vince Lombardi disse: “Nós não temos que gostar dos nossos colegas e sócios, mas, como lideres, somos instados a amá-los e trata-los como gostaríamos de ser tratados”. No coração de todo Liderado ecoa o seguinte desejo: “Quero que meu líder seja” paciente comigo, me dê atenção, me valorize, me incentive, seja autêntico comigo, me trate com respeito, satisfaça minhas necessidades quando surgirem me perdoe quando errar, seja honesto comigo, me dê retorno, me dê condições para atingir os objetivos e por fim seja comprometido. Mas a regra de ouro e recíproca é verdadeira e nos conduz ao seguinte pensamento: “Devo me comportar perante o meu líder, exatamente como eu gostaria de ser tratado”.
Na concepção de entendimento espiritual na busca do equilíbrio entendemos que a regra de nosso “PAI” é que nos amemos uns aos outros. A regra mor dos conselhos que são buscados no “PAI” nos conduz ao entendimento que Ele quer que entendamos que por mais que fossemos diferente uns dos outros e sabendo até que acontecerão conflitos, é que os homens nas suas atribuições de Lideres e Liderados, tratem uns aos outros com respeito. Quando nos disciplinamos para lidar com autoridade, experimentamos o favor da alegria! Muitos podem até se perguntar: O que é que a felicidade tem a ver com liderança? A felicidade é baseada em acontecimentos, se coisas boas acontecem estou feliz. A alegria é um sentimento muito mais profundo, que não depende das circunstâncias externas. Os grandes líderes têm falado dessa alegria. Alegria é satisfação interior e a convicção de saber que você está verdadeiramente em sintonia com os princípios profundos e permanentes da vida. “Servir aos outros nos livra das algemas do ego e da concentração em nós mesmos que destroem a alegria de viver”.
Uma experiência interessante é o que acontece com as crianças, no período próximo dos dois anos de idade, elas se tornam muito egoístas, querendo que tudo e todos estejam prontos a realizar seus desejos e caprichos, mas se não houver um ensino e direcionamento através da liderança dos pais e auxilio de mestres, elas poderão crescer com esses sentimentos e se tornarem adultos altamente dependente dessa “muleta” e às vezes estarão com uma idade adulta, agindo como crianças de dois anos. Essas pessoas param de crescer interiormente se tornando cada vez mais egoístas e autocentradas, construindo muros emocionais em torno de si. Essas pessoas são infelizmente solitárias e infelizes. Um grande exemplo é o casamento, que dá a oportunidade dos dois saírem do autocentrismo, tornando-se atentos às necessidades um do outro, quando vêm os filhos é outra oportunidade de crescer e superar nosso egoísmo, ao doar-nos para eles. Um grande desafio de quem vive ainda sozinho, ou optou por essa pratica é evitar que seja uma pessoa autocentrada, pois essas pessoas quando não vigiam suas emoções são pessoas solitárias e com pouca alegria.
Até as religiões através de seus estudos afirmam que o grande problema do homem é seu orgulho, seu egoísmo, e que o segredo de vencer é superar a nossa natureza egoísta. Alguns chegam até afirmar que o homem nasce com a maldição do pecado original, mas quero também fazer um adendo pessoal: O pecado original surgiu do egoísmo do homem e da falta de humildade, quando o homem falando no sentido genérico fez a opção por não caminhar na vontade do “PAI” que hoje entendemos como “DEUS” ele colocou em xeque a sua liberdade, e a palavra maldição esta atrelada a falta de liberdade, o homem tinha a oportunidade de aprender muito como tem até hoje, mas a natureza egoísta leva a humanidade escolher caminhos de difícil acesso, que seus espinhos estão baseados no “egoísmo” isso chama natureza caída, e quando a natureza é abalada o que é belo, lindo e alegre. Passa a ser contaminado por ações do pecado original, que esta baseada em escolhas, o homem escolheu infligir as leis e essa infração esta sendo passada de geração em geração, com isso o que era para acontecer naturalmente, passou a ser conquistado com muito mais esforço e competitividade. A disciplina pessoal hoje é tão importante como alimentar-se se podemos entender dessa forma.
Tudo que faço olho para ver se saí bem na “fita” um exemplo: quando tiramos uma foto com outras pessoas juntas e mostramo-la para outras pessoas, por mais que já vimos essas fotos várias vezes, olhamos novamente e às vezes até disfarçados, para vermos se saímos bem. Isso faz parte da nossa natureza caída, queremos sempre procurar algo, para corrigirmos um erro. Mas o erro já este impregnado dentro de nós, pois “toda queda é descendo e não subindo” e muitas vezes vamos precisar de alguém para nos ajudar a levantar, isso funciona com lideres e liderados, pois amar os outros, doar-nos e liderar com autoridade nos forçam a quebrar nossos muros de egoísmo e ir ao encontro das pessoas. “Quando negamos as nossas próprias necessidades e vontades e nos doamos aos outros, crescemos”.
Quando ajudamos alguém nos sentimos muito bem, o Dr. Albert Schweitzer disse: “Eu não sei qual será o seu destino, mas uma coisa eu sei. Os únicos que serão realmente felizes são os que buscaram e descobriram o que é servir”. Talvez seja uma realidade concreta que o serviço e sacrifício sejam o tributo que pagamos pelo privilégio de viver.
O Senhor Jesus Cristo disse: “Que o seu mandamento é que amemos uns aos outros, como ele nos amou”. Uma afirmação pessoal: Jesus entendia tanto desse negócio de amar aos outros que ele se entregou na cruz por nós! E o mais interessante é que mesmo no sofrimento da cruz Ele demonstrou Liderança, Amor, Sacrifício e Servir ao próximo. Pois Ele deu a sua própria vida pelo próximo. É essa alegria que foi demonstrada por Ele que nos sustentará na jornada através deste acampamento espiritual que chamamos de terra. Nosso objetivo aqui não é simplesmente ser felizes ou nos satisfazer pessoalmente. Nosso objetivo aqui como seres humanos é evoluir para a maturidade espiritual e psicológica. Isto é o que agrada a Deus.
Uma boa conclusão é que intenções menos ações igual a nada. Precisamos agir de acordo com o que aprendemos, porque se não nada vai mudar. Falamos tanto em insanidade! Mas insanidade é continuar a fazer o que você sempre fez, desejando obter resultados diferentes!
Entendemos que pequenos passos podem não fazer muita diferença numa jornada curta, mas para a longa jornada da vida são capazes de colocar nossas vidas num lugar completamente diferente.
               Em uma Jornada aprendemos que algumas qualidades que não gostamos em outras pessoas, são as que mais estão dentro de nós. O que precisamos é ser honesto primeiramente conosco, abrindo espaço para ação transformadora e autentica. A humildade é fundamental para a conquista, pois até para vencer uma batalha é necessário ser humilde, respeitando os conhecimentos do inimigo, o que vai definir o campeão é aquele que souber utilizar suas habilidades que foram aprendidas no período da bonança.
As habilidades da humildade nos leva a atender que somos vulneráveis e que não poderemos aplica-las sem deixar de perguntar: “Estou preparado para utilizar o que aprendi no decorrer da vida até aqui”. Um homem chamado Syrus disse: “Que de nada vale aprender bem se você deixar de fazer bem”. E a esperança só acontecerá quando olharmos nos olhos do outro e perceber que ele esta preparado.
Existe um texto do livro sagrado que diz: “A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se veem”. Paulo um apostolo de Jesus escreveu esta afirmação, podemos entender que este homem quando escreveu isto estava fazendo um clamor para o povo daquela época e para as gerações futuras. Nas entre linhas Paulo estava nos dizendo que - tudo começa por uma escolha!
Quando enfrentamos situações de qualquer espécie, podemos nos deparar com um ensinamento que o “PAI” nos deixou quando Ele diz: Filho existe dois caminhos, a benção e a maldição, mas Eu te incito a escolher a benção, pois ela seguirá você todos os dias da sua vida! O que vemos nesse ensinamento? Tudo começa por uma escolha! Muitas das vezes saímos das batalhas e depois parece que sentimos uma sensação de vazio, isso não é nada de anormal, é licito ter esse sentimento. “Quando o oponente vai embora o seu lugar naquele espaço é ocupado pelo vazio, e depois é completado pela presença alegre da vitória”.
Muitas vezes ficamos como que distante do mundo em que vivemos, e às vezes é necessário um despertar ou um toque para nos trazer de volta, às vezes choramos, às vezes sorrimos, mas o mais importante é saber que podemos repassar o aprendizado e outras pessoas serem atingidas pelas nossas derrotas e vitórias. Mas que possamos ter sempre aplicado em nossos conhecimentos, que todas as coisas, sejam boas ou más, sempre contribuirá para o bem daqueles que amam o “PAI” e podemos sentir orgulho de tudo isso.
Tenório G. Ferreira

Webmaster Gestão de Pessoas MBA

Nenhum comentário:

Postar um comentário