quarta-feira, 6 de novembro de 2013

MAIS A QUEM JÁ TEM?



Paul Ormerod, economista, identifica os efeitos das redes de relações sobre a economia, contrapondo-se à teoria convencional. Ele ministrará palestra na HSM ExpoManagement 2013, que será realizada entre os dias 4 e 6 de novembro em São Paulo. 
“A quem tem, mais será dado”: o texto está nos evangelhos cristãos, mas o empreendedor e mestre em economia britânico, Paul Ormerod, garante que esse é o princípio do “positive linking”, ligações positivas. Em sua teoria, ele ainda postula que a colaboração é a melhor política. 
O positive linking prevê que, se seu amigo tem uma dada marca de telefone móvel, é mais provável que você também compre um aparelho dessa marca. E quanto mais amigos seus tiverem comprado aquela marca, mais provável será que você compre também. O efeito-rede significa que uma pessoa pode mudar suas preferências com base no que outros fazem, e isso é tão crucial para empresas e mercados como é para as pessoas. 
Ormerod chamará atenção para esse fenômeno em sua palestra na HSM ExpoManagement 2013, que será realizada entre os dias 4 e 6 de novembro em São Paulo. A visão do economista vai de encontro à teoria econômica prevalente que entende que os indivíduos sempre comparam custos e benefícios e escolhem o melhor para si, conforme ele explica em entrevista concedida à DNA Magazine.
 Os amigos de amigos
Ormerod postula que, com frequência, o modo pelo qual o comportamento se espalha é pelas redes de “amigos de amigos”, nas quais ninguém em particular tem forte influência. Sim, nesse cenário, o Facebook tem lá seu papel, mas o estudioso refere-se aos grupos sociais em que nos inserimos desde que nascemos: família, amigos, igreja etc. 
“O mundo não é, de modo algum, uma máquina cujo comportamento seja previsível e controlável puxando-se uma alavanca aqui, apertando um botão ali. Os componentes individuais –pessoas, empresas, reguladores, governos– interagem uns com os outros e cada componente tem capacidade de mudar diretamente como os outros componentes se comportam”, explica Ormerod em seu livro Positive Linking (Faber&Faber). 
Assim, relações de causa e efeito entre políticas econômicas (que tendem a manipular incentivos para altear custos e benefícios de escolhas individuais) e quaisquer resultados não existem mais, daí a dificuldade de se criarem as políticas. No entanto, na visão do autor, elas podem tornar-se mais efetivas, desde que haja uma mudança de mentalidade, a partir da qual, em vez de um governo complascente, limitado, instaura-se um mais ponderado na solução de problemas. 
Para o autor, as comunidades devem assumir responsabilidade por soluções, em vez de confiar em uma força maior que o faça. Afinal, elas podem captar os benefícios das conexões mais do que um planejador central poderia. Para explicar que a colaboração é a melhor política, Ormerod cita o caso das subaks de Bali, na Indonésia, cooperativas que se desenvolveram em cima de séculos de tradições e adaptação coletivas para que as famílias tenham alimento suficiente, além de promoverem acesso a irrigação e outros recursos. 
O modelo balinês é muito simples. Suponha que cada subak trabalhe, de início, em um determinado mês, já que o arroz pode ser plantado a quase qualquer tempo naquela ilha. Ao final de um ano, cada subak observará a colheita de seus vizinhos. Se um deles tiver conseguido mais fartura, a época que escolheu para o plantio será copiada pelos demais no ano seguinte. Com o tempo e as repetições, haverá convergência para um padrão. 
Assim, os balineses não precisam de grandes volumes de dados ou algoritmos, nem mesmo de um governo para ditar as normas. Eles simplesmente copiam o bom comportamento dos vizinhos. Além disso, é claro, a comunidade não premia a maximização individual de ganhos de curto prazo, muito pelo contrário, de modo que a cooperação é valorizada.
 Referências: 
DNA MAGAZINE. “Interview on positive linking”. Out. 2012. Disponível online em: <http://www.paulormerod.com/wp-content/uploads/2012/10/VivekIndiaOct2012.docx>. Acesso em: 7 out. 2013. 
ORMEROD, P. Positive Linking: how networks can revolutionise the world. Londres: Faber&Faber, 2012. 
PAINTER, A. “The Sunday Review: Positive linking: how networks can revolutionise the world by Paul Ormerod”. 8 mai. 2012. Labour Uncut. Disponível online em: <http://labour-uncut.co.uk/2012/08/05/the-sunday-review-positive-linking-how-networks-can-revolutionise-the-world-by-paul-ormerod/>. Acesso em: 7 out. 2013. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário